segunda-feira, 1 de maio de 2017

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Tirou da estante: Comente!

Comentários para todas as poesias podem ser inseridos aqui.

sábado, 21 de novembro de 1992

ALGUNS

Alguns nascem
pra falar, falar, falar,
outros só ouvem.
Alguns ouvem e sabem
o que estão ouvindo
outros, nem tanto.

Alguns nascem
pra amar, sofrer, amar,
outros, vivem sozinhos.
Alguns se amam
e conseguem amar com isso.
Outros, sofrem sem saber.

Alguns nascem
pra viver, viver, viver,
outros, se acomodam.
Alguns vivem a vida
no que ela tem de melhor.
Outros, se alienam.

Uns nascem pra vencer,
outros pra perder.
Alguns lutam
e a maioria, tem medo...

"VIDA"

Talvez não haja mais
nem um dia além deste.
Seria bom uma flor abrir
agora.
Antes do romper da última
aurora.

BARREIRA DO TEMPO

Ainda que girando
fosse roleta,
não lhe concederia a sorte
e, sim, de números haveria de se perder.


Antes que me esqueça,
por ter sido esquecido,
passaram-se muitos anos,
contá-los faz o tempo diminuir.


Um botão de rosa desabrocha,
faz-se flor bela e monumental
assim como toda menina
um dia há de ser mulher.

"PRA QUE FALAR DE MARIA"

Pra que falar de Maria
se também vi Juliana,
Vanessa, Andressa e outras tantas
em frente à pia,
na soleira do tanque,
esperando alguém?

Pra que falar de Maria
se também vi Judite,
Raimunda, Bernadete e outras tantas
em frente ao mar,
na beira do rio,
esperando alguém?

Pra que falar de Maria
se aconteceu co Juliana,
Vanessa, Andressa, Raimunda,
Judite, Bernadete, Ivete
e outras tantas mais?

Pra que falar de Maria
se todas sabiam,
mas fizeram também?
Nove foram os meses
e tantas foram as vezes
que se esqueceram de amar....

G a N g R e N a G e M

A peça.
A parte oca na boca do céu
da escuridão do dia-a-dia e noite,
o açoite no rolo da Máquina.
Um aparte no infinito contorno
da bandeira na beira do mastro.

A peça.
A parte fosca e tosca
no oco do céu da boca
que engole a gula do sistema,
mas ninguém se dá conta.
Tudo o todo aponta na verdade
o vício ilícito de um mesmo esquema.

A peça.
Uma fresta é o que resta
da vontade da verdade de viver,
mas ninguém parece notar:
estão muito ocupados prá pensar...

ALÉM-DO-HOMEM

Maior seria a ira
quanto maior a vontade
de se aprofundar.
De imaginar soaria aos gritos
a palavra potência.

O querer pelo não querer,
o buscar pelo não buscar,
o vôo alto além do desejo,
a descida ao fundo,
encontro com o caos.

Com que passos?
Por qual saída?
Um caminho, mil lugares.
Basta um motivo.
Soaria bem mais alto
com os ouvidos abertos.

Maior seria a conquista
quanto maior a luta,
a vontade de se aprofundar,
de imaginar soaria aos gritos
a palavra potência.

Do abismo do conhecimento
ao concreto estado do saber
como uma ponte a permitir-se,
transportar-se além abismo,
fundir-se com o caos.

Não há passos.
Não há saídas.
Um caminho, mil lugares.
Basta um motivo.
Soaria bem mais alto
com os ouvidos abertos.

ANTROPOFAGIA

O homem
(no sentido masculino de ser)
é antropofágico
por força de sua
própria natureza humana.


Ele come.


Isso acaba definindo
todo o seu comportamento
de canibal psicológico.

CORES

A cor é azul.
A eternidade aparente,
às vezes tão próxima,
quase sempre tão longe.

A cor é verde.
A esperança que nunca morre,
a natureza que está se acabando,
a grama onde repousamos.

A cor é rosa.
Tão dócil e sensível,
tão forte e decidida,
a mulher neste mundo machista.

A cor é branca.
A pomba livre a voar,
os apelos de paz,
a canção dos loucos ao luar.

"ATENEU"

Leu-se da mente prá vida da gente;
Leu-se na mesa na frente da gente;
Muitas palavras, somente visões.
Escuras na clareza da mente,
nas escritas à mão.


Falou-se da vida na frente da gente;
Falou-se da morte na face da gente;
Muitas palavras, somente exaltações.
Muitas verdades, apoiadas
no berço da civilização.

NUA MAGIA

Lua cheia
lua bela
lua, luar.

Diz-me o segredo da tua beleza
que por mais que te admire
não te sacrifico
como sacrificamos o amor todo dia.

Tu é outra história,
é amor de várias faces.
O romântico, o louco, o racional,
quem de ti não se banhou?

"ESTE ALGUÉM"

Não está nem longe, nem perto;
Não é tão grande e nem tão certo,
este amor que procuro.
Sonho dentro da realidade do mundo.
Nem tão longe, nem tão perto.
Estou aqui para amar e ser amado...
Sonhar é facíl.
Difícil é encontrar...

PASSADO NUBLADO

Esta noite
dormi embalado pela chuva
que caía muda
pela dissonância surda
das paredes do meu quarto
que guardava pedaços
de tristeza e alegria
e do passado que um dia
nunca foi tão meu.

Esta noite
acordei assustado
e você já havia se mudado
e me deixado sozinho
embalado pela chuva que caía
através do caminho
de espinhos e carinhos
de um passado confuso
que sempre foi teu.

LIMITES

Uma cor, um luar
um farol, um olhar
uma voz, um trovão
uma mente, um coração
uma criança, um velho
uma noite, um dia.

De dia um caminhar
de noite um sonhar
na guerra um soldado
na paz um homem
na vida muitas portas a se abrirem
na morte uma fronteira a passar.

Uma árvore, uma construção
uma casa, um portão
um muro, um obstáculo
meu corpo, meu porão da alma.

SETE DE SETEMBRO

A bandeira tremulava
solitária na avenida
no Dia da Independência.

O povo todo assistia
sem entender o que via;
Ninguém estava ali
por ser patriota:

É que não tinham nada,
absolutamente nada
prá fazer em casa...

"VIVA LUZ"

Ó meu espírito,
educa teu ouvido
ouve a voz
que vem te chamar,
pois a luz,
anda pelos berços da morte
a procura de ti.
Ó meu espírito,
que exausto está calado,
envolto de flagelo,
pois veste-se de mortalha
mas ainda anda
embriagado de luz.

INFINITO SER

A última palavra
soluçada ao vento
como um clamor divino
um simples apelo humano.

O ar matutino,
a brisa no rosto pálido
a vontade de seguir,
um homem contra seu karma.

Uma flecha corta,
riscando seu traço,
um filete de sangue,
a marca no peito.

A vida se esvaindo
como que saindo em etapas,
a memória em turbilhão,
uma lágrima escapa ao olho.

A morte leve,
o fechar das pálpebras,
tombar completo,
união final.

O laço atado,
enfim fechado o ciclo
o espírito se eleva,
agora pronto para viver.

"TROPICALIS"

O toque sutíl dos ventos
com as flores.
O toque das mãos e dos amores.
O toque do orvalho com a relva.
O toque das mãos e dos amores.
As flores brancas, negras e louras.

O toque sutíl do Brasil.

As dores, as flores, os amores
e os grandes rumores.
Tudo isso é Brasil!

A ESPERA

O sol
a lua
o sol
a lua
o sol
a lua
o sol
a lua
a lua

A lua...


Por onde
andará você?


(Daqui a pouco,
vai que dá um eclipse,
e aí...
Aí é que eu
não te acho mais...)

PURUBA

Mar e praia,
............praia e sol,
.........................sol e terra,
..................................terra e lua,
...............................................lua e mar.
........................................................Mar e sol,
................................................sol e lua,
.................................lua e praia,
.................praia e terra,
terra e mar.

A "VIAGEM" DOS DEDOS

Será que os dedos

do ostracismo e da hipocrisia

passaram sem dó a mão

pelo cú da poesia

ou será que foram fundo

e encheram de lógica

a elegia caótica

desse cú de mundo?

"CRIADOR"

Para que Deus deu os olhos ao homem?
Para que veja o certo e faça o errado.


Para que Deus deu a língua ao homem?
Para que ele perdoe no ódio
e blasfeme no amor.


Para que Deus deu os braços ao homem?
Para que el abrace com falsidade a ternura.


Pra que, (que) Deus te deu a vida?

MESSIAS

Recebi a mensagem do homem,
que dizia ser filho do homem.
Falou da luz e das trevas,
da verdade e da mentira,
mostrou-me as mãos
e o livro que trazia.


Leu uma história,
repetiu em poema,
narração e parábola,
chamou-me de Heródes,
Maomé, Hitler e Gandhi.


Tomou um veneno
oferecendo-me um cálice.
Tombou morto de overdose,
sua palidez desfigurou-lhe
o rosto.

CRESCENTE E MINGUANTE

Aos primeiros raios de manhã
de um recomeço de vida
cobri ternamente teu corpo de seda
com a luz acolhedora do sol.


Teus cabelos de raro ouro brilharam
esparramados por entre fronhas de
ainda mais dourados.


E assim, enquanto tu dormias,
sorrindo tranqüila como menina-ninfeta,
acariciei e beijei-te bem devagar.
Contornei de desejos
tuas longas esguias curvas provocantes,
demarcadas de meio-tom moreno, ameno
à meia luz da manhã
de um começo de vontade


E tu foste se acendendo aos poucos,
pequenina flor frágil, forte e tenra carne
envolta sonolenta numa terna cantiga de ninar.
Encheu-se de viva-luz.


Teus pelos dourados de desejo
arrepiaram-se com prazer indisfarçável,
incontrolável, entre lençóis e lençóis.
E você se entregou, sorrindo, malícia,
sonhando acordada, cheia de sedução.


E, aos primeiros raios da manhã
de um começo de vida,
amei-te inteira.


Inteira te amei.

"HUMANO"

Chora tempo
Passa solidão
Não quero mais
Não agüento mais
Passa tempo
Chora solidão.

Tem dó;
Olha bem;
Vê só:
Não sou ruim.

Olha bem
Vê só;
Tem dó:
Sou mais
ou menos assim...

O MURO DA VERGONHA

Canções me falam de revolução.
Jornais em preto e branco
estampam todo o sangue
derramado por jovens de brio
durante a revolução estudantil.


Beatles, Stones, Dylan
Kerouack, Rimbaud, Leary e tantos outros
pregam novos costumes e posturas.


Festivais cantam velhos ideais:
liberdade, igualdade e fraternidade;
Falam em se acabar de vez
com as grandes diferenças do mundo.


Falam de liberdade,
paz de espírito e amor pela vida,
mas, a vida agradece, e se compadece
enquanto o mundo assiste a tudo
impassível, e por cima do muro
sem ter vontade de mudar...


Que mais pode o homem fazer,
para despertar o olhar crítico
que vem de dentro de toda hipocrisia
que ele mesmo ajudou a cultivar?

Que mais pode o homem fazer,
para combater sua própria incapacidade
de não querer enxergar um passo sequer
diante do seu próprio tempo?


As respostas parecem estar
esvairando-se pouco a pouco
com o passar dos tempos.


Porque, no fundo, no fundo,
nada mais somos do que
apenas mais um tijolo
revestindo o Muro da Vergonha
que, certamente, não é da Alemanha.


Ele existe em toda parte.

LIVRE

Há sempre um sonho
que nasce ao despertar,
trazendo mais luz,
um sopro de euforia.


Trafegando entre as ruas
incertas da realidade,
deslizando num escorregador
feito criança solta ao tempo.


Crescer, gerar, dar vida.
Unir-se, gota d' água ao oceano
pensar como rei de nada
ser nada de ninguém.


Portas, fronteiras abrir.
Ultrapassar, cavalo de trote macio.
Contínuo, inexplicado,
de trote macio.


A cada despertar
um sonho, outro dia.
Como rei de nada
ser nada de ninguém.

"ENGANA-VISTA"

Com a idade vai a beleza.
Com a adolescência vai a curiosidade de descobrir
no amor de verdade, já que
na realidade nada se fez.
Nós tentamos outra vez...
As folhas secas no chão.
Os ventos que vem e que vão.
A saudade e a dor.
A tristeza no amor.
Além disso, a ferida
marcando a vida.
Será desta vez que tudo se fez?
E se não for?
Nós tentamos outra vez...

PÁTRIA AMADA, IDOLATRADA E DESCORADA

A falta do que fazer
a falta do que dizer
a falta de vergonha
já não envergonha tanto.


Tanto quanto tolos
discursos esparsos
e juras e promessas
compressas na hipocrisia
que um dia elegeu o rei.


Hoje em dia, eu já não sei
se é mais decadente
aquele que mente
ou se é aquele que consente.


E a falta de coragem
da massa que se arrasta trôpega
na covardia de não lutar
já não faz mas falta.
O que falta, é vergonha na cara.


E assim, tudo se vê, nada se faz...
Corja indecente e sutil.
Pátria amada, idolatrada
e mãe gentil...

"CRIAÇÃO"

Quando foi que o homem
sentiu-se perfeito no amor?
será antes de ter conhecido
a mulher que lhe foi destinada?
Quando foi que a mulher
sentiu-se amada?
Será que foi antes
de perceber o machismo?
Quando será que o homem e a mulher
vão sentir o desejo de ser um só,
como a vontade do criador?

ALÉM DE MIM

Olhe aqui,
dentro além dos meus olhos.
Não procure entender.


Olhe aqui,
por trás do meu sorriso.
Não procure entender.


Vamos ser somente
homem e mulher.
Não procure entender.



Versando - Um pequeno ensaio sobre a vida e outras coisas

I


É estranho sentir a sensação correta,
sendo que a verdadeira guerra,
é travada entre os imprudentes
e os incapazes de viver num mesmo mundo.

-0-

Se for difícil plantar
a paz no mundo,
plante dentro de sí,
uma semente chamada liberdade.

-0 -

Ninguém está só no mundo.
Todos nós, temos alguém,
mesmo que este alguém não se revele.

Versando - Um pequeno ensaio sobre a vida e outras coisas

II


Chuva cósmica,
antena parabólica.
Mente retórica,
suave à luz da lua.

-0-

Dissidentes e renegados
viajam de outros mundos,
nas galáxias dos meus sonhos.

-0-

As noites são como crianças aladas.
Meigas, somos puros se meigos somos noite.
Livres, voamos num instante noite.
Noite, somos crianças aladas.

Versando - Um pequeno ensaio sobre a vida e outras coisas

III


Admirável povo novo
admirável night
fantasmas elétricos aos cantos
letreiros luminosos.
Tudo fora de suspeita
todos fora de sí.

(retirado do poema Blues Urbano )

-o-

É preciso um olhar estrangeiro
intrépido, intrínseco,
para se olhar fora de sí mesmo.
Um olhar fora de sí mesmo.
Um olhar vindo de longe,
longe de qualquer indício de razão...

( introdução do Manifesto O conformismo da ignorância )

-o-

Estamos sempre, querendo ver
o que há do outro lado da colina
e esse instinto nos faz caminhar,
cada vez com mais determinação,
rumo ao horizonte desconhecido.

UMA CHANCE À PAZ



EM NOME DA BOÊMIA